terça-feira, novembro 21, 2017
INICIO > CADERNO 1 > BAHIA > Bahia: No dia em que completaria 2 meses, bebê com problema no coração à espera de UTI morre

Bahia: No dia em que completaria 2 meses, bebê com problema no coração à espera de UTI morre



Além de problema cardíaco, criança estava com infecção no pulmão e internada em ala improvisada do Hospital Municipal de Mata de São João.

O bebê Bruno Daniel Sena, que aguardava uma vaga numa UTI pediátrica na Bahia, por conta de um problema no coração, morreu no domingo (12), dia em que completaria dois meses de vida.

Segundo informações dos familiares da criança, Bruno estava internado há cerca de 10 dias, à espera da regulação, em uma ala improvisada do Hospital Municipal de Mata de São João, na região metropolitana de Salvador.

O bebê tinha um problema na estrutura do coração que comprometia o funcionamento do órgão e estava com uma infecção pulmonar. Diante da situação de saúde, ele precisava ser transferido para uma UTI pediátrica.

Por meio de nota, a Central Estadual de Regulação informou, na sexta-feira (10), que estava em busca de um leito especializado para transferir o bebê. Contudo, a criança não resistiu. Bruno Daniel Sena foi enterrado nesta segunda-feira (13), às 10h, no Cemitério do Bonfim, em Mata de São João.

Descoberta do problema de saúde

A mãe de Bruno Daniel, Daniele Sena, contou que só descobriu o problema cardíaco do filho quando ele passou mal e ela resolveu levá-lo a uma unidade de saúde. Daniele disse que Bruno passou mal e teve dificuldade para respirar. “A unha dele começou a ficar roxa. A médica me perguntou se ele [o filho] tinha problema de coração e eu disse que não, porque até então disseram para mim que meu filho nasceu bem”, relatou.

Após seis dias no hospital, a criança foi avaliada por um cardiologista e foi feito exame que confirmou o diagnóstico de má formação no coração. Desde quando a criança estava internada, a família estava preocupada porque, como o Hospital Municipal de Mata de São João não tem UTI pediátrica, eles alegaram que Bruno Daniel estava sem os cuidados médicos que precisava até ser operado.