Diógenes Alves, pai do jornalista Geraldinho Alves, tem mandato restituído na Assembleia Legislativa

diogenes1O ex-deputado Diógenes Alves, pai do jornalista Geraldinho Alves, editor do site Bahia40graus, sediado em Eunápolis, no extremo sul da Bahia, e colunista do caderno A Tarde Municípios Agro e Negócio, recebe homenagem póstuma nesta segunda-feira, 31 de março, ao ter o mandato de deputado restituído, simbolicamente, por Resolução da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa baiana, a pedido do deputado Marcelino Galo (PT), presidente da Comissão da Verdade no legislativo baiano.

O ato simbólico vai homenagear 13 ex-deputados que foram cassados pela ditadura militar, cujo o golpe faz 50 anos nesta segunda-feira, data escolhida propositadamente pela Comissão da Verdade para que seja feita a reparação histórica das biografias dos parlamentares baianos que foram vítimas da arbitrariedade da ditadura.

BREVE HISTÓRICO DO DEPUTADO DIÓGENES ALVES

Diógenes Alves, (1917 – 1985), nascido em Salvador (BA), eleito deputado estadual para a legislatura de 1963 a 1967, pelo PDC (Partido Democrata Cristão), sendo o segundo deputado mais votado à época. Foi líder dos ferroviários baianos, classe a qual pertencia como servidor da Rede Ferroviária Federal (antiga Leste Brasileira). Ficou no mandato até o dia 28 de abril de 1964, quando foi cassado e posteriormente preso pela ditadura militar, por se rebelar contra o golpe.

Diógenes fundou a Associação dos Ferroviários, em 1957,  inicialmente com sede em Salvador e filiais em Alagoinhas, Cachoeira, São Félix, Aramari e Senhor do Bonfim. Falecido aos 67 anos, no Rio de Janeiro, em 17 de março de 1985, devido a complicações cardíacas, deixou cinco filhos e um legado de conquistas para a classe dos ferroviários.

Na atividade parlamentar foi membro titular das comissões de Constituição e Justiça e da Comissão de Educação. Foi homenageado com uma sala na Associação dos Ferroviários da Bahia e com o nome de uma rua em Salvador. Recebeu de volta o mandato de deputado estadual, no dia 31 de março de 2014, 50 anos após o golpe militar, simbolicamente, em homenagem póstuma, por determinação da Resolução Nº 1581, de 12 de novembro de 2013, da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, cujo presidente é o deputado Marcelo Nilo (PDT), a pedido do deputado Marcelino Galo (PT), presidente da Comissão da Verdade do Legislativo Estadual.

 

Bahia 40 Graus

Comente com Facebook