Empresa que comprou imóveis de Flávio Bolsonaro tem histórico de conexões com offshores envolvidas em lavagem de dinheiro

Seguir o dinheiro. Todos os caminhos indicam que a velha e surrada fórmula é a chave para entender o aumento de patrimônio do senador Flávio Bolsonaro. Um crescimento espetacular: 397,1% em 12 anos, entre os anos de 2006 e 2018. O epicentro dessa rota parece estar no Panamá, paraíso fiscal com tradição de sediar empresas muitas vezes virtuais. É lá que está sediada, ao menos no papel, a Listel S.A. E com ela as conexões que podem ser peças definitivas.

A Listel é sócia da MCA Exportação e Participações, empresa que comprou 10 imóveis do 01, como o presidente chama o primogênito.

Os documentos obtidos pela Agência Sportlight de Jornalismo Investigativo na Junta Comercial panamenha mostram quem são as sociedades no exterior daquela que comprou os imóveis do senador. E apontam para conexões da Listel com o mesmo modus operandi: um histórico de denúncias de envolvimentos em lavagem de dinheiro que ocultam fortunas obtidas por corrupção, sonegação de impostos e toda sorte de proprietários que desejam esconder seus bens. Políticos, empresários, empreiteiros, agentes do mercado financeiro e laranjas do mundo inteiro.
Entre os sócios que aparecem no registro da Listel no Panamá está a Impala Limited, com sede nas Bermudas.

Casos como o da Listel, com sede no Panamá, conectada com a sócia Impala Limited, Bermudas, são frequentes em paraísos fiscais e recebem pelos especialistas em investigação o nome de “dupla camada”, formando esquema complexo que dificulta o rastreamento do dinheiro. Na maior parte das vezes, a segunda empresa, a segunda camada, irá se conectar a algum banco.

O histórico da Impala

Em um dos mais rumorosos casos de corrupção de dimensão mundial dos últimos tempos, a Impala Limited estava no centro do noticiário. Foi através da utilização dela como empresa de fachada que Luis Bárcenas, tesoureiro do Partido Popular (PP) e ex-senador, operou milhões de dólares oriundos de corrupção, um dos casos famosos conduzidos inicialmente pelo juiz Baltazar Garzón e depois por Pablo Ruz.

Modus Operandi

O político chegou a ser preso entre 2013 e 2015. Nas denúncias, aparecem como peças importantes do esquema de Bárcenas o escritório de advocacia “Icaza, González-Ruiz & Alemán”, com sede no Panamá e responsável pela abertura de milhares de offshores. A Listel, sócia da MCA Exportação e Participações também foi aberta pelo mesmo escritório, o “Icaza, González-Ruiz & Alemán”.

Ainda sobre o caso, existe o registro de 14 pessoas nomeadas pelo escritório para movimentar o dinheiro da Impala em contas suíças para Bárcenas. Laranjas, testas de ferro.
Originalmente, entre os sócios da Listel, como mostram os documentos obtidos pela Agência Sportlight, estão, além da Impala Limited, outras duas pessoas físicas: Carlos Bryden e Itzkra de Trute. A última aparece, de acordo com os Panama Papers, como sócia de 3,426 empresas com sede no Panamá, caso muito comum em paraísos fiscais.

Em 2014, a Impala Limited é substituída na sociedade da Listel. Entra a Jedburgh. A troca é apenas de nome, já que Carlos Bryden e Itzkra de Trute seguem como os outros acionistas.

A Jedburgh se conecta a diversas outras empresas no Panamá. E ainda aparece, entre outros, ligada ao Arner Bank, também no Bahamas Leak.

O Arner Bank, com origem em Lugano, Suíça, foi um dos maiores protagonistas de escândalos financeiros na Itália nesta década. A alcunha pela qual ficou conhecido diz muito sobre suas atividades em passado recente: “Berlusconi Bank”. De acordo com o Ministério Público italiano, o ex-primeiro ministro Silvio Berlusconi tinha o número um entre os clientes da instituição. É lá que a maior parte das operações financeiras da família estavam concentradas, inclusive sendo o destino final do capital das próprias financeiras do ex-todo poderoso.

É no Banco Arner que, em 1994, a “Operações Mãos Limpas” descobre o fio da meada das dezenas de empresas offshores utilizadas por Berlusconi.

Em 26 de fevereiro de 2014, os registros da Listel na Junta Comercial do Panamá apontam para a renúncia de Carlos Bryden, Itzkra de Trute e da Jedburgh para entrada de três sócios. Dois deles, Marcello Cattaneo Adorno e Delio Thompson de Carvalho Filho, formam, junto com a Listel, a sociedade que constitui a MCA Exportação e Participações. A empresa que comprou dez imóveis de Flávio Bolsonaro.

Na investigação do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro que culminou na quebra de sigilo de Flávio Bolsonaro e de 95 pessoas e empresas, o fato da MCA, compradora dos imóveis, ter a Listel entre os sócios é um dos mais fortes fatores que acenderam a luz vermelha do caso. Na denúncia, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) vê “sérios indícios” de lavagem de dinheiro na “realização de operações imobiliárias envolvendo pessoas jurídicas cujos sócios mantenham domicílio em países com tributação favorecida”.

Somente com a MCA, Flávio fez transações em dez salas comerciais na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. Comprados por R$ 2.662.000,00 (dois milhões, seiscentos e sessenta e dois mil reais) e vendidas pouco depois para a MCA por R$ 3.167.000,00 (três milhões, cento e sessenta e sete mil reais).

No total, em sete anos, (entre 2010 e 2017), o ainda deputado estadual e atual senador, movimentou R$ 9.425.000,00 (nove milhões, quatrocentos e vinte cinco mil reais) comprando dezenove imóveis. Com lucro de R$ 3.089.000,00 (três milhões e oitenta e nove mil reais). De acordo com os investigadores, as transações foram vistas como “suspeitas de subfaturamento nas compras e superfaturamento nas vendas”.

A promotoria aponta para a prática por parte do filho do presidente dos crimes de peculato (apropriação, por funcionário público, de bens alheios), lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Fonte: Sportlight

Comente com Facebook